Menu fechado

NOTA OFICIAL DA ALIANÇA NACIONAL LGBTI+NOTA DE SOLIDARIEDADE à Julia Helena Moreira de Oliveira Castro E MANIFESTAÇÃO DE REPÚDIO

Não vivemos mais nos tempos inquisitoriais, porém a perseguição com viés religioso galga os degraus da vida em sociedade nos tempos atuais, fato este que em suma é e sempre será inaceitável e digno de pena.

Pautado neste argumento destacamos mais um caso de Transfobia para o qual nos posicionamos: Julia Helena Moreira de Oliveira Castro, mulher trans e uma de nossas afiliadas na cidade de Amargosa no estado da Bahia, vem sendo vítima de reiterados ataques por meio das redes sociais.

A ELA TODA A NOSSA SOLIDARIEDADE.

Julia carrega consigo uma história inspiradora como muitos de nós. Advinda de uma conformação religiosa de cunho protestante antes de se encontrar com seu verdadeiro Eu e realizar sua ressignificação sexual, a mesma relata sua experiência durante sua passagem por este seguimento por meio de lives no facebook e de seu canal do youtube.

Os relatos de vida expostos por Júlia causaram grande incômodo nas redes e despertaram a intolerância dos que se arvoram em se dizer pregadores do amor e da caridade, causando grandiosas e dolorosas marcas na vida de Júlia.

Um destes casos de LGBTIfobia sofridos por Júlia partiram de um pastor, que dedicou um vídeo exclusivo para, supostamente pautado na liberdade religiosa, ofender e tecer críticas nada construtivas sobre a história de vida de Júlia Helana, se arvorando ao utilizar termos abjetos e comparações sem quaisquer proveniências no respeito.

O fato em questão segue sendo corriqueiro na vida de milhares de LGBTIs espalhados pelo mundo, onde muitos passam processos do que chamam de “cura e libertação”, processos estes que promovem em grande parte das vezes sofrimento psíquico e até mesmo físico, culminando algumas vezes em suicídios ou até mesmo na construção de uma vida nada saudável, repleta de enganos em uma vida dupla.

Em nenhum momento nos posicionamos contrários a quaisquer manifestações religiosas, desde que as mesmas não sejam utilizadas como forma de propagação da LGBTIfobia e quaisquer formas de preconceito, assim como relatou a mais alta corte de Justiça do País, o Supremo Tribunal Federal – STF, em decisão histórica no julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade Por Omissão – ADO 26 e do Mandado de Injunção – MI 4733, que enquadrou a LGBTIfobia aos crimes de racismo, crimes estes inafiançáveis e imprescritíveis, destacando: que “A repressão penal à prática da homotransfobia não alcança nem restringe ou limita o exercício da liberdade religiosa, qualquer que seja a denominação confessional professada (…) desde que tais manifestações não configurem discurso de ódio, assim entendidas aquelas exteriorizações que incitem a discriminação, a hostilidade ou a violência contra pessoas em razão de sua orientação sexual ou de sua identidade de gênero”.

Neste ínterim, a Aliança Nacional LGBTI+ manifesta seu profundo repúdio aos ataques sofridos por Júlia, solidarizando-se com a mesma, colocando-se à disposição para prestar todo e qualquer suporte necessário para que supere da melhor forma possível.

Em uma nação pautada por uma Constituição Federal que deixa claro que vivemos em um país laico, não se pode haver margem para aceitação de tentativas de imposição de uma única composição religiosa, mesmo que não haja concordância com seus dogmas ou liturgia na forma vivida por outrem.

O respeito à liberdade religiosa é inegociável, porém as liberdades individuais e a liberdade de expressão devem ser asseguradas.

06 de agosto de 2020

Toni Reis
Diretor Presidente da Aliança Nacional LGBTI+

Pr. Gregory Rodrigues Roque de Souza
Coordenador Estadual da Aliança Nacional LGBTI+ em MG
Coordenador Nacional de Notas e Moções da Aliança Nacional LGBTI+

Marcel Jeronymo
OAB/PB 15.285 – OAB/PR 100.312
Coordenador da Área Jurídica da Aliança Nacional LGBTI+

Dandara Rudsan S. de Oliveira
AfroAssessora em Advocacy,Projetos e Formação
Colaboradora da Área Jurídica da Aliança Nacional LGBTI+

Lana Larrá
2ª Coordenadora Adjunta da Área de Mulheres Trans da Aliança Nacional LGBTI+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *